Muitas dúvidas giram em torno de quando começar uma campanha eleitoral. De acordo com mudanças na lei em 2016, os candidatos podem iniciá-la apenas nos 45 dias que antecedem as eleições, ou seja, é proibido pedir votos e apoio para as suas propostas antes deste período.

No entanto, as movimentações para a construção da imagem do candidato, por motivos óbvios, não podem esperar por este curto espaço de tempo que precede a votação.

As diferentes plataformas online devem ser exploradas antes do intervalo de 45 dias pelos indivíduos com foco em um possível primeiro mandato ou na reeleição, desde que não se apresentem oficialmente como candidatos.

É importante destacar que, no caso de políticos que buscam a reeleição, ela precisa ser iniciada ainda durante o mandato atual, por meio do atendimento às demandas e manutenção constante do relacionamento com os eleitores.

Listamos alguns primeiros passos para que a imagem pública seja construída de maneira eficiente e coesa, sempre respeitando as diretrizes legais.

Tenha foco no planejamento

Organização é um elemento indispensável para o sucesso de uma empreitada como essa. Ao longo do processo, vários imprevistos certamente vão surgir. Como trabalhar a redução e até mesmo a prevenção desses riscos?

O primeiro passo é definir metas, objetivos e necessidades políticas não apenas da campanha, mas também de uma possível conquista de mandato. Para isso, os envolvidos na empreitada (e o próprio candidato) precisam ter conhecimento sobre quem é a audiência, quais são os seus desejos e carências e de que forma ele os atenderá.

Assim sendo, o mapeamento dessa audiência online, o seu comportamento na internet, assim como a análise das atividades na internet dos concorrentes, é fundamental.

Essa estratégia permite a construção de mensagens que sejam eficientes para os possíveis eleitores, possibilitando coerência com o que os outros candidatos estão fazendo e sempre em busca de diferenciais.

Além do conhecimento sobre a audiência e os temas que vão ser priorizados na campanha, outros pontos devem ser definidos anteriormente à construção online da imagem desse indivíduo: a definição da equipe e a atividade realizada por cada um dos integrantes, orçamento e captação de recursos, direcionamento político (filosofia política), mídias que vão ser utilizadas, slogan, entre outros.

​Elabore o site e prepare as redes sociais

O site é o principal espaço de representação da campanha eleitoral na internet. Antes mesmo dos 45 dias, ele precisa ser cuidadosamente construído e gerido para que a imagem do candidato seja coesa e forte.

É importante apresentar esse indivíduo como uma figura pública que possui preocupações e é atuante no campo social. Demonstrar quais são os campos de atuação dessa pessoa e as esferas da sociedade que fazem parte de seu posicionamento ideológico é fundamental.

Além disso, explique a trajetória desse indivíduo, a sua formação e história. Mostre para a população que ele possui sintonia, preocupação e interesse em debater e atuar em temas e problemáticas sociais.

Procurar a interação com a audiência, por meio da realização de enquetes e pesquisas onde sejam explicitadas os desejos coletivos, é outra boa ideia.

Por fim, explore ferramentas multimídias. Não trabalhe apenas com texto. Fotos e vídeos são de grande importância para transmitir mensagens com maior clareza e engajar a audiência.

Além disso, materiais audiovisuais criam a sensação de proximidade, o que favorece a simpatia. Transmissões online (também conhecidas como lives) onde o indivíduo responde diretamente questões do público, por exemplo, criam vínculos mais fortes até mesmo com quem não pôde estar presente no momento.

Redes sociais

Esses espaços, além de divulgar todos esses materiais construídos pela equipe, favorecem as interações com a audiência. É importante que esses conteúdos sejam multimídia, como foi abordado, e que atuem em diferentes plataformas.

Por meio de links, um mesmo vídeo postado no Youtube leva ao site do candidato. Uma chamada de enquete no Facebook deve estabelecer a ligação com o portal, onde o questionário é realizado.

Lembre-se de que cada uma das redes possui uma funcionalidade própria que nem sempre atende ao perfil da audiência específica. Além disso, a atuação deve ser diferente em cada um desses espaços.

Os conteúdos divulgados no WhatsApp, por exemplo, por conta da configuração e do uso do próprio aplicativo, não podem ter a mesma estrutura dos que são postados no Instagram. O mesmo acontece com a comunicação por SMS, que possui um grande nível de eficiência.

A mensagem deve ser a mesma, mas o que muda é o envelope, a forma como ela vai interagir e chamar a atenção.



Copiar

Valorize a identidade visual da campanha eleitoral

Seja no site ou nas redes sociais, é preciso que essa empreitada política possua uma identidade visual coesa, única e que se relacione com a figura pública criada, assim como com a audiência. Esse é um elemento de grande importância que não pode ser descuidado.

A atenção às cores, tipografia e logotipo, dentre outros aspectos, fortalece a mensagem passada pela campanha. Dessa forma, os conteúdos elaborados se tornam mais eficientes e passam maior credibilidade.

Além disso, as imagens e símbolos utilizados ao começar uma campanha eleitoral precisam fazer sentido com o conjunto da identidade visual, assim como, é claro, serem feitos por profissionais especializados.

Garanta recursos financeiros

Todo o trabalho extraoficial de construção de imagem do candidato demanda bastante dedicação prévia — logo, exige capital. O caminho é longo e é necessário garantir toda a sua extensão.

Ao iniciar a estratégia, para que ela não apresente qualquer fragmentação ou até mesmo sofra interrupções, é fundamental assegurar a criação e manutenção contínua desses processos. Imagine um site ou rede social, que posta conteúdos de qualidade regularmente, deixando de funcionar ”de uma hora para outra”.

Para evitar isso, é preciso que o orçamento da comunicação seja preestabelecido e inclua possíveis gastos extras. A maneira mais tradicional para conseguir verba ainda é por meio da organização de eventos. Além disso, é possível criar mecanismos de arrecadação em plataformas online.

Para que essa última opção funcione, uma boa estrutura de comunicação online é indispensável, considerando que ela seja a representante da figura pública e uma grande captadora de apoiadores e colaboradores.

As informações sobre estratégias de quando começar uma campanha eleitoral lhe foram úteis? Curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de outros conteúdos que possam ser do seu interesse!


Banner do eBook sobre campanha eleitoral